Jornal Cidade - Uruaçu-GO
COLUNAS
AGENDA POLÍTICA
SOCIAL
RELIGIÃO
SABOR DA LEITURA
SAÚDE DO CORAÇÃO
ESPAÇO ESPÍRITA
ESPECIAIS
IMAGEM...
ACONTECIMENTOS
ESTREVISTAS
ARTIGOS
URUAÇU - HISTÓRIA
SERVIÇOS
FALE CONOSCO
SEJA ASSINANTE
SEJA ANUNCIANTE
INFORMES
EVENTOS
NOSSO JORNAL
EXPEDIENTE
WEBMAIL

 

 

 
MUNICIPAIS
11-06-2008 22:06:56
Filho de Uruaçu, Itaney é escolhido desembargador


Em sessão extraordinária, pública e aberta, o Órgão Especial do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO) elegeu por unanimidade em 9 de junho o juiz Itaney Francisco Campos, da 8ª Vara Cível de Goiânia, para a vaga deixada pelo desembargador Elcy Santos de Melo, na 1ª Câmara Criminal do TJ-GO, aposentado em maio passado. Escolhido pelo critério de antiguidade, a nomeação de Itaney foi formalizada pelo desembargador-presidente José Lenar de Melo Bandeira, que definiu a posse dele para 4 de julho, em sessão plenária.

Natural de Uruaçu, o novo desembargador, que se formou pela Universidade Católica de Goiás (UCG) em 1974, tem 57 anos, dos quais 26 anos dedicados à judicatura. Atualmente ele é titular da 8ª Vara Cível de Goiânia e está atuando como substituto no TJ-GO desde 99, quando substituiu pela primeira vez o desembargador Noé Gonçalves Ferreira. Na magistratura desde 82, quando assumiu a Comarca de Formoso, até 85, Itaney chega ao TJ-GO com o propósito de atender à expectativa do jurisdicionado de promover uma Justiça rápida e eficiente. "Apesar de exercer a atividade judicante na área cível, atuei no Tribunal por vários anos no âmbito criminal. Considero-me um homem de sorte por ter tido a oportunidade de exercer simultaneamente as duas áreas", ressaltou.

De 86 a 87, o magistrado passou a responder pela Comarca de Mara Rosa e em seguida por Santa Helena de Goiás (87/92), onde exerceu a jurisdição nas áreas cível, criminal e eleitoral, tendo sido promovido para a capital Goiânia, pelo critério merecimento, em 92. Com especialidade em Direito Processual Civil e mestrado em Direito Agrário pela Universidade Federal de Goiás (UFG), Itaney exerceu as funções de professor substituto de Direito Civil e Processual Civil na referida instituição nos anos de 2000 e 2001 e ministrou as mesmas disciplinas no Centro Universitário de Goiás (Uni-ANHANGÜERA, a tradicional Faculdade Anhangüera) em 2002 e 2007, sediada na capital.

Foi ainda juiz eleitoral da 136ª Zona Eleitoral de Goiânia por dois anos e exerceu o cargo de conselheiro da Associação dos Magistrados de Goiás (Asmego), tendo sido diretor do jornal O MAGISTRADO por dois mandatos. Associado da União Brasileira de Escritores - Seção Goiás (UBE-GO), escreveu Notícias Históricas do Bairro de Campinas (1985) e Inventário do Abstrato (poesia), publicados pela Secretaria Municipal de Cultura de Goiânia/Assessoria Especial de Cultura. Participou ainda das coletâneas de poesia Verbo Interior (coletânea de poemas. Organização: Academia Uruaçuense de Letras [AUL]. Editora Kelps. Goiânia. 2000) e Thêmis Translúcida.

Ao agradecer a confiança depositada pelos integrantes do Órgão Especial, Itaney disse que se sente lisonjeado por fazer parte do Tribunal. "Estou muito satisfeito e orgulhoso de ter sido escolhido pelos meus colegas. Vou me dedicar exclusivamente ao Tribunal para corresponder a todas as expectativas", garantiu.

Em trabalho jornalístico da Redação deste periódico, leia mais sobre o desembargador, abaixo, inclusive a entrevista exclusiva concedida pelo mesmo ao JC.


Uruaçu 11/06/08 - (Da Redação, com informações do Centro de Comunicação Social do TJ-GO, sob adaptações - Foto: Wagner Soares/CCS - TJ-GO)



Ser desembargador é o sonho de muitos

Tornar-se desembargador é o sonho de maioria considerável dos magistrados. Ao eleger por unanimidade o juiz Itaney Francisco Campos para a vaga, o Tribunal de Justiça do Estado de Goiás TJ-GO usou o critério da antigüidade. O Órgão Especial do Tribunal tem função judicante e é composto por 17 desembargadores - os mais antigos -, na medida em que se vagarem os cargos excedentes de sua composição inicial.

Na entrevista abaixo, doutor Itaney frisa não portar ansiedade espalhafatosa, mas se sente feliz: "Venho exercendo essa função, em substituição, há vários anos. Afinal, já não sou um juiz novato. São 26 anos de judicatura." Contente, o uruaçuense afirma estar "lisonjeado e cônscio da responsabilidade dos novos encargos."

Filho do casal Selenita Campos de Ávila/Cristovam Francisco de Ávila (doutor Cristovam), Itaney adora e valoriza a instituição família. O novo desembargador foi aluno do bom Colégio Nossa Senhora Aparecida (CNSA) e corria o ano de 1968 quando deixou Uruaçu para estudar na capital Goiânia. Além do pai (que dentre outras atividades, foi procurador de Justiça do Estado de Goiás, e, prefeito de Uruaçu [31/01/70 a 31/01/73]), o irmão Iliomar Campos também adentrou o caminho universitário de um curso de Direito, formou e há anos é renomado profissional da advocacia do Norte goiano. Os outros cinco irmãos dedicam-se a diferentes áreas profissionais.

Doutor Itaney está no segundo casamento; sua esposa é a cirurgiã-dentista Leila Regina da Costa, nascida na mineira Araguari. "Com a minha falecida esposa Margot Campos tive os filhos Matheus, hoje diplomata; Raquel, mestranda em História; e, Ana Laura, designer."

Também poeta e escritor, doutor Itaney lançou os livros Notícias Históricas do Bairro de Campinas (85. Prefeitura de Goiânia); Inventário do Abstrato (2006. Prefeitura de Goiânia. Secretaria da Cultura. Kelps Editora); e, Thêmis Translúcida (poesia/coletânea de versos) (2007. Associação dos Magistrados de Goiás [Asmego]); e, Verbo Interior (coletânea de poesias) (2002. Prefeitura de Uruaçu) (JC On-line - Jota Marcelo).



Doutor Itaney: 'A mais grave corrupção é aquela praticada pelo juiz, esteio moral de uma sociedade'

Através dos jornalistas Jota Marcelo e Márcia Cristina, o JC quis saber sobre várias impressões do novo desembargador e ele respondeu de forma objetiva. Leia a entrevista:

 

Onde e com quem começou sua carreira jurídica?

Iniciei minha carreira jurídica em 1974, em Uruaçu, onde abri escritório com o doutor Fausto Moreira Diniz, hoje juiz de Direito, com supervisão do doutor Cristovam Francisco de Ávila, meu pai, e tendo como secretária minha irmã Maria Solange Campos de Ávila. O juiz de então era o doutor Julio Resplandes de Araújo, modelo de magistrado, em quem sempre busco me espelhar.

 

A experiência que o senhor teve como advogado contribuiu para acertadas decisões nas suas atuações como juiz e desembargador substituto?

Sem dúvida. A advocacia permitiu-me uma visão do fenômeno jurídico diferenciada daquela que se tem na condição de juiz. Ajudou-me bastante no que concerne a considerar o processo sob uma perspectiva do jurisdicionado.

 

Qual é o valor da integridade de um juiz?

A integridade é de um valor incomensurável, na judicatura. É o valor básico, essencial, sem o qual se degradam os demais. Não basta a cultura geral, o conhecimento jurídico, a capacidade de trabalho, se a honestidade, a probidade, a integridade moral e intelectual não prevalecerem. A mais grave corrupção é aquela praticada pelo juiz, esteio moral de uma sociedade.

 

Na dura rotina de todo juiz está a sobrecarga desumana de processos. Como avalia essa questão?

Numa sociedade desigual, que ostenta índices espantosos de violência, o juiz não consegue vencer a sobrecarga de trabalhos, tanto da área cível quanto da criminal. Uma sociedade organizada e justa não produz tantos processos. Isso é um sintoma de enfermidade social, a par de que compete ao Judiciário compor os conflitos com presteza, segurança e justiça. Lamento, por outro lado, que a opinião pública, em geral, desconheça ou não reconheça o estafante trabalho a cargo do juiz e, por outro lado, é necessário exigir-se do Estado a designação de juízes em número adequado às exigências dos serviços, com condições materiais e de recursos humanos satisfatórios, de forma a que a sociedade receba sem tardança e de forma segura a prestação jurisdicional. Sem medidas governamentais de justiça social não há Judiciário que consiga compor um mínimo dos conflitos sociais.

 

De que forma recebeu a aprovação da nova regra alterando o funcionamento do Tribunal do Júri?

Com muito otimismo. Sou agora juiz da área criminal, no Tribunal. Com a abolição do protesto por novo júri, da obrigação de o réu estar presente no ato de julgamento, a abolição dos quesitos técnicos, etc., os julgamentos tenderão a se realizar mais rapidamente e com menos riscos de nulidades. Ampliou-se o poder de julgar dos membros do júri, que são os integrantes da sociedade local, onde ocorreu o fato criminoso. As mudanças são bem-vindas, em termos de efetividade do processo. Mas é preciso também organizar e valorizar a defensoria pública, que atuará em defesa dos réus pobres, em moldes a preservar o princípio sagrado da ampla defesa, própria dos regimes democráticos. Urge criar o sistema penitenciário, que não temos, pois os presídios são estabelecimentos inqualificáveis, em geral.

 

Desde adolescente, o senhor tem forte identificação com distintos segmentos culturais. O lado poético/escritor do doutor Itaney influenciou na atuação do magistrado Itaney?

Sim, evidentemente. O homem juiz não se distingue e nem se retalha em suas várias dimensões. Quando o juiz fala, reflete também a alma do poeta, o viés cultural do professor, as variantes de sua formação cultural, se bem que em diferentes níveis. Processo não é lugar de fazer poesia, mas o respeito à dignidade de cada ser humano, em qualquer situação que ele se encontre, é o fundamento da justiça e também da arte.

 

O senhor ocupará o cargo de desembargador. Como se sente diante dessa realidade?

Lisonjeado e cônscio da responsabilidade dos novos encargos, porém sem grande ansiedade, porque venho exercendo essa função, em substituição, há vários anos. Afinal, já não sou um juiz novato. São 26 anos de judicatura. Alguma coisa sempre se aprende, no percurso do tempo. Acho-me quase maduro para o novo encargo, se bem que a cada dia se aprende algo novo e cada caso tem suas particularidades, que exigem novos estudos e reflexões.

 

Que mensagem o senhor deixa neste momento marcante de sua vida profissional?

Que alimentemos sempre um sentimento de gratidão por aquilo que a vida nos proporciona; que acreditemos sempre na pessoa humana, por maiores que sejam as injustiças que ocorram; e que a sociedade valorize o papel do Judiciário brasileiro, que se compõe de juízes dignos, honrados, preparados e trabalhadores. O bem comum deve ser o objetivo maior da atuação dos Poderes públicos.

 

Qual é a importância da família na sua formação educacional?

Importância total. Cresci em um ambiente cultural. Mamãe nos ensinava diariamente as tarefas escolares, no primário e ginásio, e papai, além de professor, nos proporcionava livros, muitos livros, em casa.

 

Ofereceria para quem tal conquista?

À minha família, especialmente à minha falecida esposa Margot, à mamãe, que também se fez em luzes, à minha atual e extremosa mulher Leila Regina, aos meus amados filhos e irmãos. Em outro nível, à sociedade goiana como um todo, a quem pretendo continuar bem servindo.

 

Sua posse como desembargador será dia 4 de julho, data do aniversário de emancipação de Uruaçu. Registre uma impressão pessoal sobre o Município onde nasceu.

Minha cidade é o meu berço e o meu porto seguro. Minhas melhores referências estão nessa cidade, que se enraíza em meu coração. Escrevi que essa cidade está "nas viagens merencórias em que às vezes me percorro, e que é o lusco, o lusco-fusco deste ser introvertido". Eu sou também a minha cidade. A data da posse não foi escolhida a propósito, resultou de coincidência, por questões de agenda no Tribunal de Justiça [TJ-GO]. Mas me alegra que meu acesso ao TJ se vincule temporalmente ao aniversário da minha cidade.

 

Nos anos 70, inicialmente o advogado ganhava inscrição provisória e posteriormente recebia a de número definitivo. Sua inscrição inicial na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) foi 1.289. Curiosamente o senhor tinha um fusca (meio branco- bege), com placa de Uruaçu número JS 1289. Lembra da coincidência? Comente o fato pitoresco.

Não, não me recordava. Mas respeito a questão da numerologia, que Jung [psiquiatra suíço Carl Gustav Jung Kesswil, 1875-1961] já levava em consideração. Dizem que nada acontece por acaso, sem bem que não sei o que tem a ver essa relação de números de placa e inscrição na OAB. Será algo esotérioco? Talvez porque iria ficar tão pouco tempo na advocacia quanto com o fusca, quem sabe!?! Interessante essa lembrança [a lembrança surgiu devido a colaboração do advogado Mariano Peres, residente em Uruaçu, parente do entrevistado e articulista do JC].

 

Mais alguma observação?

Fico feliz em ser alvo da atenção desse jornal, da gentileza dos dois jornalistas que me entrevistaram, sobremodo porque são da minha terra, e, espero corresponder às expectativas, nas minhas novas funções, e honrar sempre a minha família, a minha cidade e àqueles que buscam a manifestação da Justiça. Muito obrigado!

 

Uruaçu 03/07/08 (JC - On-line)
Histórico
  » 03-07-2018 23:07:40 - Nova página eletrônica do ‘JORNAL CIDADE’. Em breve!
  » 30-08-2017 10:08:32 - Valmir Pedro: ‘Estamos tendo zelo com o dinheiro público, trabalhando com economia’
  » 20-04-2017 10:04:59 - 100 dias de governo Valmir Pedro: mudando a história de Uruaçu
  » 17-02-2017 18:02:46 - Vilmar Rocha: ‘Vamos levar o Goiás Solar a todas as regiões do estado’
  » 06-10-2016 16:10:26 - Legislativo de Uruaçu – Frentes (ou não) políticas
  » 23-09-2016 16:09:11 - Uruaçu – Moradia se tornou um dos motes centrais da campanha eleitoral
  » 31-08-2016 01:08:48 - Instituto Yamana realiza o ‘Dia Integrar 2016’ com várias atrações para a população de Nova Iguaçu de Goiás e região
  » 04-05-2016 19:05:15 - Uruaçu – Faeg orienta e debate impactos da seca na agricultura do Norte goiano
  » 15-04-2016 19:04:04 - PRTB de Uruaçu sugere redução salarial para vereadores, prefeita, vice e secretários
  » 06-04-2016 11:04:08 - Comunicado/Fato Relevante: roubo de um caminhão e três tratores na BR-153, em Goiás
veja o histórico completo
  Untitled Document
Enquete

Você conheceu pessoalmente alguém que tenha morrido devido ao frio ou ao calor?

   Sim
    Não

    Votar

    Parcial

Consulta entre 1º e 31 de julho/2018
Google
Google