Jornal Cidade - Uruaçu-GO
COLUNAS
AGENDA POLÍTICA
SOCIAL
RELIGIÃO
SABOR DA LEITURA
SAÚDE DO CORAÇÃO
ESPAÇO ESPÍRITA
ESPECIAIS
IMAGEM...
ACONTECIMENTOS
ESTREVISTAS
ARTIGOS
URUAÇU - HISTÓRIA
SERVIÇOS
FALE CONOSCO
SEJA ASSINANTE
SEJA ANUNCIANTE
INFORMES
EVENTOS
NOSSO JORNAL
EXPEDIENTE
WEBMAIL

 

 

 
SABOR DA LEITURA
Dr. MARIANO PERES
20-03-2015 10:03:53
FALANDO DE MIM

Tempo da Sapataria SAN.

Último suspiro do artesão sapateiro.

Entardecer de uma era

Em que sapataria era arte,

Não somente sapataria

Mas também outras profissões

Igualmente importantes

Para a sociedade de então.

Alfaiataria

A suprir as necessidades de trajes masculinos.

Ourivesaria

Alicerçando o ramo da economia

Apoiado na garimpagem

Em tempo de ouro farto.

Na Sapataria SAN

Fui aprendiz de sapateiro.

Discípulo de Sergio Alves Noleto,

De Jovino e de João Amâncio,

O Joãozinho da Quilidônia.

Tempo que adulto andava a pé

E jovens, de bicicleta.

Mas mesmo assim,

Na lentidão do deslocar,

Muita gente visitava a sapataria.

As visitas não atrapalhavam o trabalho,

Faziam-no divertido

E mantinham os sapateiros

Conectados com os acontecimentos

Do Brasil e do mundo

Pois que os visitantes tinham sempre

As últimas notícias do Repórter Esso

E as do Globo no Ar.

Aquele que em horários pré-estabelecidos

Despejava no Brasil inteiro

Pelas ondas Curtas da Nacional do Rio

As últimas notícias da UPI

(United Press International)

Este outro, o Globo no Ar,

Inundava o Brasil pela estação

De vinte e cinco metros da Rádio Globo

Com as notícias do Brasil e do Mundo

Fornecidas pelas demais agências noticiosas.

O mais ilustre visitante da sapataria,

Duas, três ou quatros vezes por dia

Era Sebastião Cipriano de Souza

O Basto, irmão de Dona Zefinha,

Titular do Registro civil,

Onde fui registrado

Em mil, novecentos e cinquenta,

Quando mudamos para Uruaçu,

Vindo do Córrego do Coité,

Que é perto de Rubiataba

E eu já era um cavalão de mais de dez anos.

Dona Zefinha – Josefa Cipriano Mota –

Esposa do Manoel Mota,

Mãe de um filho e quatro filhas,

Avó de Maryanna outras mais

Legou a Uruaçu,

Além de um trabalho profícuo,

Uma bela descendência.

Voltando à sapataria,

Onde eu falava do Basto,

Que era ótimo orador,

E excelente cantor,

E gostava de mostrar-nos

Seus altos conhecimentos

Políticos, históricos, geográficos.

E até gramaticais

Acumulados anos e anos

Nas folhas amareladas

Pela fumaça das lamparinas

E nos serões familiares

Pródigos em cultura local.

Além disso, fazia curso de madureza.

Com Dr. Cristovam Ávila.

Gostava também de contar piada,

E a gente se esforçava para rir,

Mas não conseguia,

Tão sem graça era seu jeito de narrá-las.

Os sem que fazer

Também iam à sapataria.

Uns iam falar da vida alheia

Outros simplesmente matar o tempo

E aprender alguma coisa.

Moças escolhendo modelo de sandália

Em revistas de moda,

Meninas-moças encomendavam

Sapatos colegiais em verniz preto

E os fregueses que mantinham a sapataria

Comprando chinelas, sapatos, botas e botinas.

O trabalho na SAN

Era instrutivo, alegre e divertido.

Lá, todo mundo era feliz

E quase todos tinham apelidos

Conforme suas qualidades pessoais.

O dono era o Castanhão

Por se alto, de bastos cabelos castanhos.

João Amâncio era o Boca Preta,

Por causa da barba escura em torno da boca;

Eu era o Cabeleira, por ter o cabelo “cheio”;

O Fábio era o Picape, porque cantava o dia todo;

A Baixinha porque era de pequena estatura;

O Ernesto era o Rádio, porque imitava apresentador de rádio;

O Reberão tinha esse apelido

Porque era assim que pronunciava a palavra ribeirão

O Garrote tinha a aparência touro;

O Mané Boi porque chegara do Maranhão

Com um jeitão de boi arisco.

Jovino e Enedina não tinhas apelidos,

Ela, por sua condição de moça séria

E ele por respeito a sua peixeira.

Mesmo assim, apesar da peixeira,

Certa vez cortei um monte de cansanção

E coloquei dentro da rede dele.

Ele passou mais de uma semana

Procurando o autor da arte

Para guardar-lhe a peixeira no bucho.

Nunca mais cutuquei onça com vara curta.

O trabalho na SAN

Era instrutivo, alegre e divertido.

Lá, todo mundo era feliz

E quase todos tinham apelidos.

15/02/2015.

DR. MARIANO PERES reside em Uruaçu e, é advogado, escritor, poeta e membro da Academia Uruaçuense de Letras (AUL). Contatos: (62) 3357-2377 e mrianoperes@hotmail.com. Visite o site http://mariano.peres.zip.net

Histórico
  » 27-08-2015 11:08:02 - ROMEIRO
  » 15-08-2015 19:08:39 - CANTIGA DA DELAÇÃO PREMIADA
  » 27-07-2015 08:07:41 - DEBAIXO DO PÉ DE MANGA - Cantiga
  » 09-07-2015 12:07:57 - SONETO EM DECASSÍLABOS
  » 26-06-2015 20:06:56 - Cantiga do Pé de NONE
  » 13-06-2015 12:06:56 - SERENATA
  » 31-05-2015 05:05:09 - Imprevisão
  » 10-05-2015 23:05:57 - CANTIGA PARA O DIA DAS MÃES
  » 12-04-2015 23:04:30 - GATOS, COBRAS E LAGARTOS
  » 20-03-2015 10:03:53 - FALANDO DE MIM
veja o histórico completo
  Untitled Document
Enquete

Você conheceu pessoalmente alguém que tenha morrido devido ao frio ou ao calor?

   Sim
    Não

    Votar

    Parcial

Consulta entre 1º e 31 de julho/2018
Google
Google